Flash Sale! to get a free eCookbook with our top 25 recipes.

Texto chinês pode ser o registro mais antigo de uma aurora boreal


Antigos textos chineses trazem o que pode ser o registro de uma aurora boreal mais antigo de que temos notícia, que parece ter ocorrido cerca de três séculos antes do atual recordista, descoberto há quase dois anos. A descoberta veio de um estudo recente realizado por Marinus Anthony van der Sluijs, pesquisador independente, e Hisashi Hayakawa, da Nagoya University.

O fenômeno foi registrado nos Anais do Bambu, crônicas da China Antiga que reúnem a história do país desde tempos remotos. Além dos eventos históricos, há também registros de eventos incomuns no céu — para o estudo, os autores examinaram a menção de “uma luz de cinco cores” observada na direção nordeste, ao fim do reinado do rei Zhao, da dinastia Zhou.

O evento mencionado em um texto dos Anais do Bambu pode ser a aurora mais antiga conhecida (Imagem: Reprodução/surangaw/Envato)

O ano exato em que as cores foram observadas é incerto, mas através de reconstruções da cronologia chinesa, eles acreditam que o fenômeno tenha ocorrido em 977 ou 957 a.C. (a variação depende de quando o reinado foi datado). Além disso, eles descobriram que a “luz de cinco cores” é consistente com a ocorrência de grandes tempestades geomagnéticas, e citam também exemplos de registros históricos muito mais próximos à nossa época.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Se confirmado, este é o registro mais antigo de uma aurora no mundo. Os cientistas demoraram para encontrá-lo por diferentes motivos: o manuscrito original dos Anais do Bambu foi perdido, encontrado e perdido novamente na dinastia Song. Já no século XVI, outra versão do texto impressa descrevia um cometa, não uma aurora — mas o estudo mostra que esta não pode ter sido a leitura original do documento.

Descrições populares das auroras boreais como esta representam informações históricas valiosas, que podem ajudar os cientistas a modelar padrões do clima espacial e atividade solar a longo prazo, indo de décadas a milênios. A compreensão destas flutuações permite que sociedades se preparem para grandes erupções solares e, ainda, para possíveis efeitos causados nas redes elétricas e outros equipamentos que utilizamos hoje.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Advances in Space Research.

Fonte: Advances in Space Research; Via: Nagoya University

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.



Veja mais