Flash Sale! to get a free eCookbook with our top 25 recipes.

Review Chevrolet Cruze Midnight | Último suspiro de um sedan injustiçado?


Lançado em janeiro de 2022, o Chevrolet Cruze Midnight é uma das apostas da General Motors para o mercado brasileiro no ano. A ideia da montadora é dar alguma sobrevida ao sedan médio, que amarga apenas 2.804 unidades emplacadas no acumulado até abril, bem menos do que seu principal rival, o Toyota Corolla.

Feito com base na variante LTZ do Chevrolet Cruze, o Midnight se apresenta como uma boa opção de sedan médio no mercado, já que traz um bom pacote de equipamentos e um conjunto mecânico extremamente ágil e competente, um de seus principais trunfos perante a concorrência, que só quer saber de SUVs.

O Chevrolet Cruze Midnight (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

Mas suas mudanças se restringem ao seu visual, sem qualquer alteração nos itens de série que o modelo oferece. Aí, vem a pergunta: será que o Chevrolet Cruze Midnight vale a pena?

Prós

  • Desempenho
  • Consumo
  • Espaço interno
  • Conectividade
  • Design

Contras

  • Faltam equipamentos
  • Preço acima do esperado

Conectividade e Segurança

Um dos pontos positivos do Chevrolet Cruze Midnight é seu pacote de conectividade, que se concentra na central multimídia MyLink de 8 polegadas. Com boa resolução, esse aparelho esconde a verdadeira joia do sedan nesse quesito: sua conectividade 4G nativa.

O Cruze foi o primeiro carro com internet nativa a bordo no mercado nacional e isso serviu não apenas como pontapé inicial em uma mudança de filosofia na General Motors, mas também em outras montadoras. Na versão Midnight, isso segue presente.

É possível conectar até sete smartphones com muita qualidade de conexão, já que o e-SIM presente no carro é bem mais potente do que o encontrado em nossos celulares. Sendo assim, mesmo sem GPS nativo, o Cruze pode ser seu amigo e te ajudar a economizar o pacote de dados para navegar nos mapas e músicas.

Central MyLInk é uma das melhores do mercado brasileiro, apesar do tamanho pequeno (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

Há suporte para Android Auto e Apple CarPlay, mas ainda com fio. O sistema de som, embora competente, poderia ser um pouco melhor, tendo em vista que essa é uma série especial do carro.

O pacote de conectividade também conta com o serviço OnStar, que é uma espécie de anjo da guarda do motorista, podendo ser acionado em caso de emergências em qualquer lugar.

O Chevrolet Cruze Midnight é seguro, mas poderia ser mais equipado (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

Já em termos de segurança, o Cruze Midnight não faz feio. Embora não tenha os recursos de auxílio ao motorista como na versão Premier, ele conta com seis airbags de série, auxiliar de partida em rampa, controles de estabilidade e tração, sistema ISOFIX para cadeirinhas infantis e compatibilidade com o app My Chevrolet, que fornece comandos remotos no carro.

Se não é o mais recheado do seu segmento, ao menos o Cruze Midnight compensa sendo conectado e relativamente seguro em comparação aos seus rivais.

Conforto e Experiência de uso

O grande trunfo do sedan da Chevrolet está em seu conjunto mecânico, que é composto pelo excelente motor Ecotec 1.4 turbo de 153cv e 24,5 kgf/m de torque, sempre acoplado a um câmbio automático convencional de seis velocidades. Com esse pacote, o Cruze Midnight se torna um carro extremamente ágil e agradável de se guiar.

Isso fica evidenciado não apenas pelo motor, que faz o três volumes ir de 0 a 100km/h em apenas 9,1 segundos, mas também por sua suspensão que, mesmo sendo com eixo de torção atrás, proporciona bom nível de conforto e curvas seguras, com muito controle.

É muito bom dirigir o Chevrolet Cruze Midnight, mas ele não traz diferenças em relação aos modelos convencionais do carro (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

A unidade avaliada pelo Canaltech estava abastecida com gasolina e mostrou o quão econômico é o Cruze Midnight. Em nossos testes, as médias foram de 11 km/l na cidade e 15 km/l na estrada, nada mal para um carro desse porte. No etanol, segundo a GM, os números caem para 7,8 km/l e 9,8 km/l, respectivamente.

Tudo isso também contribui para o conforto do veículo, que, como citamos, tem suspensão acertada visando um misto de conforto e esportividade, mesmo o automóvel não sendo essencialmente um esportivo. Aqui talvez esteja uma das falhas da GM nesse projeto, que poderia ter sido mais ousado.

Calibração do câmbio automático de seis marchas ajuda no consumo (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

Mesmo com visual arrojado e chamativo, o Cruze não apresenta nada de novo em termos mecânicos, nem mesmo mudanças para torná-lo mais exclusivo. Sinal de que talvez o projeto esteja com os dias contados.

Já com relação ao espaço interno, o Cruze segue brilhando e nos brinda com bons 2,70m de entre-eixos, o suficiente para pessoas altas viajarem na fileira de trás com conforto. O porta-malas, de 440 litros, certamente é bem-vindo para famílias.

Espaço interno do Cruze não é o melhor da categoria, mas atende muito bem (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

Os itens de conforto do Cruze Midnight englobam o ar-condicionado de duas zonas e automático, sensor crepuscular, sensor de chuva, direção elétrica progressiva, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, chave presencial e piloto automático.

“Grande trunfo do Cruze Midnight é seu desempenho, um dos melhores da categoria.”

— Felipe Ribeiro

Design e Acabamento

A proposta de trazer uma variante Midnight ao Cruze se mostrou acertada quando vimos o resultado. Sedan médio preto e com tons escurecidos em geral são mais bonitos e elegantes, e isso fica evidenciado ao olharmos para o modelo da General Motors.

As rodas, em tom diamantado, ajudam no contraste e não se furtam em trazer um pouco de cromado para o visual do carro.

Rodas diamantadas contrastam com os tons escuros do Cruze Midnight (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

O interior, por sua vez, segue a mesma proposta, com teto, banco e painel escurecidos, além de portas e alguns detalhes.

O acabamento, no geral, é bom, mas, a exemplo do Cruze Premier, deixa a desejar quando comparamos com modelos concorrentes. Há mais plástico duro do que deveria dentro do Cruze Midnight, mesmo que bem feitos e sem rebarbas. Estamos falando de um sedan médio e sofisticação deve ser a alma do veículo.

Painel do Cruze Midnight é bonito, mas poderia ter acabamento superior (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

Sentimos falta, também, de um conjunto óptico em LED. Ainda assim, há luzes de condução diurnas com essa tecnologia. Um conjunto de rodas maior também seria bem-vindo.

Concorrentes

Se analisarmos a proposta do Chevrolet Cruze Midnight, podemos considerar que seu rival mais direto é o Toyota Corolla GR-S, que custa algo na casa dos R$ 180 mil. Se dermos aquela forçadinha, podemos colocar o recém-lançado VW Jetta GLI na briga, mas ele custa R$ 220 mil e é bem mais equipado.

Chevrolet Cruze Midnight: Vale a pena?

O Chevrolet Cruze Midnight valeria muito a pena se fosse um pouco mais barato. R$ 140 mil por essa versão do sedan já soam caros demais, principalmente por contarmos com SUVs mais potentes e bem equipados na mesma faixa de preço. Desse jeito, o mercado vai mesmo acabar engolindo esse tipo de carro.

Mas, analisando apenas o carro em si, evidentemente que se trata de um ótimo produto, bem completo, conectado e com desempenho altamente satisfatório. O design certamente vai chamar atenção do seu vizinho e te deixar bem satisfeito ao desfilar nas ruas.

O Chevrolet Cruze Midnight está disponível em todo o Brasil por R$ 139.780.

No Canaltech, o Chevrolet Cruze Midnight foi avaliado graças a uma unidade gentilmente cedida pela General Motors do Brasil.



Veja mais