Flash Sale! to get a free eCookbook with our top 25 recipes.

Por que Luiz Barsi nunca compraria Magazine Luiza (MGLU3)? – Money Times

Luiz Barsi


Luiz Barsi, maior investidor pessoa física da bolsa, não recomenda investir em varejistas como o Magazine Luiza (Imagem: Ações Garantem o Futuro)

O maior investidor da bolsa brasileira, Luiz Barsi, afirmou, durante entrevista para o podcast Irmãos Dias, que nunca teria Magazine Luiza (MGLU3) na carteira.

A empresa vive um “inferno astral” na bolsa, com os papéis caindo mais de 90% desde o seu pico do ano passado. A ação sofre com a elevação dos juros e o cenário macroeconômico ruim.

Segundo ele, os investidores que apostam em varejo estão “mal informados”.

“As empresas de varejo, pelo menos umas 40 quebraram, e as próximas quebrarão. Magazine Luiza um dia vai quebrar. Não sei quando, mais vai quebrar. Eu não sou profeta, estou falando em termos de histórico. Veja, quebrou o Casa Centro, o Mappin, a Ultralar. A Máquina de Vendas e Via também estão penduradas”, afirma.

Ainda nesta semana, a justiça chegou a declarar a falência da Ricardo Eletro, controlada pela Máquina de Vendas. Porém, o processo foi suspenso na sexta-feira (10).

O grupo pediu recuperação judicial em agosto de 2020, então com uma dívida superior a R$ 4 bilhões. Naquele momento, as 300 lojas físicas da Ricardo Eletro foram fechadas, resultando na demissão de 3.600 colaboradores.

“O setor de varejo é manco, ele não tem uma conotação confiável em sua operacionalização porque o governo engana. Ele diz que a inflação é de 8% quando é de 40%”, destaca.

Na visão de Barsi, quando as empresas de varejo fazem vendas parceladas, a inflação corrói o valor do produto de forma “vingativa”.

“O varejo é sempre uma atividade em que você tem que aportar recursos, sistematicamente. É por isso que, na minha avaliação, ele não é um setor bom. Quem compra varejo é porque desconhece isso”, completa.

Ação do Magazine Luiza cara

Mesmo com a queda vista nos últimos meses, analistas consultados pelo Money Times dizem que a ação está cara.

Na opinião de Leandro Petrokas, diretor de research e sócio da Quantzed, os papéis negociam a múltiplos de 127x lucro 23,25 EV/Ebitda (valor da empresa sobre resultado operacional), com dados do último balanço anual.

“Diante de um cenário de muitas incertezas sobre o desempenho da economia real, perda de renda das famílias e ano de eleição, o mercado está optando em comprar nomes mais defensivos, com maior previsibilidade de geração de caixa, como bancos, empesas do setor elétrico e alguns nomes expostos a commodities, especialmente petróleo e minério de ferro”, completa.

Para Victoria Minatto, analista de varejo da Benndorf, todo esse cenário macro, e, principalmente, a época de eleições (que vai começar a influenciar mais ativamente o índice a partir de agora), tende a afetar as ações de consumo, em especial Magazine LuizaVia etc., que são mais sensíveis ao macro.

E a queda das ações do Magalu abre uma oportunidade de compra? A Benndorf tem recomendação neutra no papel, mesmo com a grande queda acumulada nos últimos meses.

“Nesse quesito, preferimos Americanas (AMER3), que também ainda estamos neutros, mas que veio performando melhor em resultados nos últimos trimestres por não ser tão dependente de produtos de linha branca”, pondera.

Disclaimer

Money Times publica matérias informativas, de caráter jornalístico. Essa publicação não constitui uma recomendação de investimento.

Siga o Money Times no Facebook!

Curta nossa página no Facebook e conecte-se com jornalistas e leitores do Money Times. Nosso time traz as discussões mais importantes do dia e você participa das conversas sobre as notícias e análises de tudo o que acontece no Brasil e no mundo. Siga agora a página do Money Times no Facebook!



Continue Lendo