Flash Sale! to get a free eCookbook with our top 25 recipes.

Para que serve o Big Data


A revolução digital impactou a economia, as empresas e as pessoas em geral. Nossa sociedade nunca produziu tantos dados como na atualidade. Como consequência disso, é necessário também ter um mecanismo estratégico de análise – e é para isso que serve o chamado Big Data.

Verdade que esse termo é cada vez mais difundido. No entanto, você sabe dizer exatamente o que é Big Data, para que serve e como ele pode ajudar os negócios na prática?

Então, vem com a gente, pois vamos falar mais sobre esse assunto!

O que é Big Data?

O Big Data é uma expressão que surgiu a partir de duas palavras em inglês: big (grande) e data (dados). A tradução ajuda a entender a essência do que é Big Data: a análise e interpretação de dados gerados em grandes volumes.

Com transformação digital, os dados passaram a ser disponibilizados num volume impressionante a partir de milhões de dispositivos em máquinas, celulares, computadores, veículos e o que mais imaginarmos.

Já em 2012, um artigo da IBM (International Business Machines) apontava que 90% dos dados existentes no mundo haviam sido produzidos nos últimos dois anos e que, atualmente, a população global gerava 2,5 quintilhões de bytes de dados diariamente.

Uma reportagem da revista Exame traz também informações que o Instituto Gartner, especializado em consultoria em tecnologia da informação, indicou que 40 trilhões de gigabytes de dados foram gerados globalmente até 2020.

É muita coisa, não? Pois todo esse volume de dados e a maneira como eles são coletados gerou também a necessidade de mudar a forma como esses dados são extraídos e analisados.

É exatamente aí que o Big Data entra. Além de extrair e analisar, ele ainda atribui significado aos dados coletados.

Isso permite que os dados possam ser usados na tomada de decisões, na identificação de oportunidades e no direcionamento de ações que atendam às necessidades de empresas ou pessoas.

Big Data: história, conceito e principais aspectos

Embora o uso do Big Data tenha “explodido” com a crescente digitalização, o conceito em si já existia há muito tempo.

A ideia de reunir e extrair dados em grande quantidade serviu para servia para nortear, por exemplo, a decodificação de códigos usados por diversos exércitos em guerras ao longo da história ou estudos relacionados a doenças como a peste bubônica.

O mesmo princípio também foi usado para criar antigas enciclopédias ou organizar bibliotecas.

No entanto, foi só em 1997 que o termo Big Data foi usado pela primeira vez, em um artigo da NASA (National Aeronautics and Space Administration).

Anos depois, em 2005, o diretor de pesquisa de mercado da O’Reilly Media, Roger Magoulas, usou a expressão Big Data de maneira oficial, difundindo o termo a partir de então.

Conceito de Big Data

A proposta trazida pelo Big Data é oferecer o tratamento e a análise de dados de forma consistente.

Para isso, o conceito do Big Data considera cinco pilares, conhecidos como os “cinco Vs do Big Data”.

Vamos saber mais sobre isso?

 

Os cinco Vs do Big Data

O Big Data considera cinco aspectos principais: Volume, Velocidade, Variedade, Veracidade e Valor.

Os três primeiros foram identificados em meados dos anos 2000 por Doug Laney, renomado cientista de dados.

Depois disso, os outros dois aspectos (Veracidade e Valor) foram acrescentados.

Conheça melhor o que cada um significa:

Volume

O Volume se refere à quantidade de dados capturados de diversas fontes tais como redes sociais, transações realizadas, aplicativos, máquinas, sistemas, ferramentas de análise etc.

A geração e a captação dos dados pode ser interna ou externa. O essencial é que esse grande volume de dados seja transformado em insumos estratégicos para alcançar resultados.

Essa, então, é a primeira característica do Big Data: a enorme quantidade de dados de diversas origens.

Velocidade

Outra característica do Big Data é a Velocidade em que os dados são produzidos.

Como consequência, é necessário que esses dados sejam processados na mesma rapidez. Quanto menos tempo entre a produção e o processamento de dados, maiores são os ganhos competitivos são maiores para as empresas.

Quando isso é feito de forma instantânea e auxilia a produção de relatórios em tempo real, é possível tomar decisões mais eficazes e ágeis – o que é uma vantagem competitiva bem interessante.

Variedade

Já a Variedade diz respeito não só a variação das fontes de dados (internas ou externas), mas também à enorme variedade na forma como eles são gerados e analisados.

Entendendo isso, é possível definir como estes dados serão avaliados e tratados. Em geral, a análise de dados considera que eles podem ser classificados em três tipos:

  • Dados estruturados: são aqueles dados armazenados em uma estrutura bem definida, organizada geralmente em colunas e linhas. : planilhas de Excel, tabelas de bancos de dados etc.
  • Dados semiestruturados: são aqueles que têm algumas propriedades internas organizadas, mas as informações são guardadas de outras maneiras, não utilizando planilhas ou tabelas. A linguagem de marcação XML e linguagens utilizadas em e-mails são os principais exemplos desse tipo de dados.
  • Dados não estruturados: são aqueles que são armazenados sem uma estrutura bem definida, com padrão pré-determinado. Além disso, não podem ser estruturados em tabelas. Exemplos: arquivos de texto, vídeos, áudios, apresentações, imagens etc.
Veracidade

A Veracidade é o aspecto se refere à confiabilidade e qualidade dos dados e das fontes onde foram gerados. É essencial garantir que os dados obtidos sejam relevantes e genuínos.

O Big Data tem grande papel em relação a isso, pois filtra o que é confiável e elimina o que não é.

Valor

O quinto V é da palavra Valor e tem relação com os benefícios que as soluções de Big Data trazem para quem as utiliza. É necessário que os dados agreguem valor aos processos e estratégias, ajudando a identificar oportunidades, tendências, melhorias.

O valor ajuda a tomada de decisões, dando melhor direcionamento às ações que devem ser realizadas.

Dados impressionantes sobre o Big Data

Para termos ideia do volume de dados disponíveis na atualidade, reunimos algumas estatísticas e curiosidades sobre isso!

• Seriam necessários 181 milhões de anos para baixar todos os dados da internet. • Cada pessoa irá gerar 1,5 GB de dados a cada dia. Isso equivale a: o 1,5 milhões de mensagens de texto; o 750 imagens; o 4 horas de vídeo; o Ouvir música por 24h. • Já as empresas geram 2 trilhões de bytes de dados por dia, em todos os setores. • 63% das empresas não conseguem obter insights do Big Data. • 73% dos dados não são analisados. • No entanto, empresas que orientam suas decisões pelo Big Data têm 23 vezes mais chances de conquistar clientes. • Empresas que usam o Big Data podem aumentar as margens operacionais em até 60%.Fontes: Findstack e Iberdrola

Tudo isso ajuda a dimensionar a importância do Big Data. Afinal, é através da análise e da interpretação dessa quantidade enorme de dados é que eles viram informação de fato.

Sim, isso mesmo. Embora possam ser usadas como sinônimos, há uma diferença de definição entre dados e informação.

Entenda a diferença entre dados e informação

Os dados, por si só, são como matérias-primas em estado bruto. É como se fossem diamantes sem qualquer lapidação.

Já as informações são os dados processados (ou os diamantes já lapidados). Podemos dizer que informação são os dados que podem ser úteis e têm significado.

As informações não podem ser geradas sem dados. Elas são resultado do processamento e da análise dos dados – que é exatamente o que o Big Data faz.

Big Data aplicado aos negócios

Considerando a tendência de que teremos cada vez mais dados disponíveis, explorar os benefícios do Big Data deve fazer parte do planejamento de qualquer empresa.

Não por acaso, o uso de dados para tomada de decisões já faz parte da rotina de gigantes como a Netflix e a L’Oréal, que atuam em segmentos completamente distintos…

E, ao contrário do que muita gente pensa, usar o Big Data não é algo restrito a empresas de tecnologia.

Na verdade, essa é uma ferramenta estratégica que deve ser incorporada ao dia a dia de empresas de qualquer porte ou segmento.

Afinal, transformar dados em informações ajuda a descobrir tendências e traz insights valiosos, que podem ser a chave para os empreendedores que desejam ter sucesso no mercado.

Tem um pequeno negócio e acha que Big Data é algo inacessível, longe da realidade da sua empresa?

Então, você precisa conhecer o Cielo Farol!

Cielo Farol: a inteligência de dados da Cielo a favor do seu negócio

O Cielo Farol traz toda a inteligência, tecnologia e dados da empresa líder em pagamentos eletrônicos na América Latina para você tomar as melhores decisões para a sua empresa.

Quer ter uma visão completa do seu negócio? Com o Cielo Farol, você:

  • Compara o desempenho do seu negócio com os concorrentes;
  • Analisa o faturamento da sua loja e de negócios similares onde você atua;
  • Sabe qual o desempenho do seu negócio e o melhor horário de vendas;
  • Acompanha detalhadamente quanto seus clientes gastam em seu estabelecimento;
  • Descobre o perfil de renda dos clientes e quantos são novos ou recorrentes, além de saber qual é a frequência de compra deles;
  • Identifica qual dia da semana você tem o maior e o menor movimento e muito mais!

Todas essas informações trazem dicas importantes para mostrar o que está dando certo e o que pode ser melhorado.

Conheça a jornada de compra dos seus clientes e prepare as melhores estratégias para a sua empresa!

Use os dados do Cielo Farol para impulsionar seus negócios!

 



Veja mais