Flash Sale! to get a free eCookbook with our top 25 recipes.

Nova cratera em Marte parece ter sido formada há poucos anos


Uma nova cratera de impacto parece ter se formado há poucos anos na superfície de Marte. A formação foi identificada comparando duas imagens de uma região do planeta vermelho produzidas em 2018 e 2020 pela sonda Mars Reconnaissance Orbiter (MRO).

Ainda não há dados sobre o tamanho da cratera ou sua profundidade, mas de acordo com a equipe do instrumento High Resolution Imaging Science Experiment (HiRISE), que equipa a MRO, imagens de acompanhamento (como a que rendeu a identificação da formação) serão essenciais para coletar medidas e identificar os compostos presentes, como o gelo, por exemplo.

Cratera fotografada em Marte em 2020 (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/UArizona)

A cratera fica perto do equador de Marte, e a foto foi feita perto da tarde. Além disso, há grandes áreas cobertas por poeira em toda a região. Portanto, embora a foto mostre algumas formações claras e brilhantes espalhadas pela cratera, é pouco provável que estas estruturas sejam formadas por gelo.

Vale lembrar a foto foi feita usando uma série de filtros, aplicados para destacar as formações minerais em Marte através de cores diferentes daquelas que nossos olhos veriam. Este método é necessário porque a HiRISE estuda Marte em um comprimento diferente de onda do espectro eletromagnético, e dá destaque às características entre diferentes materiais e texturas.

Geralmente, novas crateras são identificadas por meio das imagens do instrumento Context Camera e dos dados de acompanhamento coletados pela HiRISE. Através dos dados destas e outras câmeras, os cientistas estimam que a superfície marciana é atingida por aproximadamente 200 impactos a cada ano, sendo que a maioria deles é causada por pequenos objetos.

A MRO vem estudando a atmosfera e a superfície de Marte desde 2006, atuando também como uma estação de transmissão de dados para outras missões. Recentemente, a NASA concedeu uma nova extensão à missão da MRO, que seguirá investigando a evolução da superfície do planeta, sua geologia e atmosfera, entre outras características.

Fonte: HiRISE

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.



Veja mais