Flash Sale! to get a free eCookbook with our top 25 recipes.

Melhores celulares da família Moto G na história


A linha Moto G é um dos maiores sucessos da Motorola no Brasil e no mundo. Isso se deve ao fato de a marca pertencente à Lenovo ter conseguido vender mais de 100 milhões de unidades do modelo no mundo, sendo 40 milhões desses aparelhos somente aqui no país.

Mas quais serão os celulares mais marcantes dessa família? Quais funcionalidades presentes em cada um desses Moto G ajudaram a impulsionar as vendas a ponto de tornar essa linha tão marcante para a empresa e o público?

Confira todas as respostas ao longo da matéria e sinta a nostalgia de relembrar os maiores sucessos da linha Moto G.

Moto G

O primeiro intermediário de sucesso

Lançado no final de 2013, o Moto G de 1ª geração foi um divisor de águas no mercado mobile. Isso porque o dispositivo entregou ao público diversos diferenciais que proporcionaram a migração dos usuários de um celular simples para o smartphone.

O sistema fluido, configurações atrativas, a traseira colorida, entre outras características, ajudaram a fazer do Moto G o primeiro aparelho inteligente de muitos brasileiros. As especificações do intermediário permitiam que a experiência de uso fosse equilibrada por um período surpreendente.

Afinal, o equipamento contava com a plataforma Snapdragon 400, 1 GB de memória RAM e 8 GB de armazenamento interno. Apesar de essas configurações não surpreenderem hoje em dia, na época, era um grande passo na indústria.

Para quem estava migrando de um feature phone — o famoso “tijolão” — para um smartphone, era a maneira mais fácil e barata de realizar tal alteração aqui no Brasil, e não é por acaso que o aparelho fez tanto sucesso no país.

Moto G2

O primeiro com TV Digital

Apesar de o Moto G2 4G (2ª Geração) não ter muitas opções que o caracterizem como uma alta evolução do G1, ele trouxe um diferencial que chamou ainda mais a atenção do público que estava realizando o processo de migração para um smartphone.

Esse dispositivo foi o primeiro da marca a contar com TV Digital, e ter em mãos um celular que permitia ver os canais favoritos da TV aberta em qualquer lugar era um grande diferencial. A característica ajudava muito a dar mais versatilidade ao produto.

A tela foi outro destaque, pois foi o momento em que começamos a ver apostas mais arriscadas da Motorola. Assim, o G2 recebeu um display de 5 polegadas e que tinham um aproveitamento frontal maior do que o seu antecessor.

Outra característica importante para o público e que faz sentido para quem estava em busca de um celular com TV foi a implementação de dois alto-falantes com o formato de reprodução estéreo. Sendo assim, o smartphone se transformou em uma central multimídia bem inteligente e atrativa.

Moto G4 Plus

Leitor de digitais e câmeras mais robustas

O Moto G4 Plus foi um dos maiores saltos evolutivos da família Moto G desde a sua compra pela Lenovo em 2014. Esse aparelho trouxe diversas novidades para a família já popular e consolidada no mercado brasileiro.

A geração lançada em 2016 também marcou a disponibilidade do leitor de digitais, que é um sistema de biometria amplamente usado até os dias atuais. O recurso vinha em um compartimento quadrado na frente do celular e já chamava a atenção à primeira vista.

Outro ponto que se destacou no G4 Plus foi a tela de 5,5 polegadas. Esse formato maior de display era um grande diferencial para aqueles que estavam consumindo mais vídeos no YouTube, bem como filmes e séries em outras plataformas de streaming.

Além disso, o G4 Plus recebeu ajustes na parte fotográfica para permitir o uso com maior flexibilidade sob boa iluminação. Para tal, a Motorola aplicou um sensor de 16 MP na lente traseira e fez com que o celular alcançasse um novo patamar dentro da categoria de intermediários.

Moto G7 Power

A bateria maior era o seu diferencial

O Moto G7 Power chegou ao mercado em 2019 e surpreendeu por proporcionar uma bateria mais robusta para quem estava em busca de um smartphone com foco em autonomia, já que manter bem longe das tomadas por várias horas ou dias era um diferencial bem-vindo.

Nesse aparelho, a capacidade de 5.000 mAh permitiu que o público experimentasse todas as funcionalidades embutidas nele sem se preocupar com a recarga contínua. Nas mãos de alguns, era possível aproveitar até 2 dias bem distante do carregador.

Assim como a autonomia era um destaque, o Moto G7 Power também surpreendeu por atender a um pedido antigo dos usuários da linha Moto G. O equipamento trouxe em sua geração o leitor de digitais presente na traseira do celular dentro do logotipo.

Anteriormente, esse recurso biométrico era anexado abaixo do logotipo, e isso fazia com que o público sempre confundisse o ícone da Motorola com a opção física para desbloqueio do celular. Com a alteração da posição desse recurso, foi possível aproveitar um visual mais sóbrio no verso do produto.

Já na parte frontal, a tela em formato “Max Vision” de 6,2 polegadas era acompanhada pelo notch com o mesmo formato adotado pela Apple em seus iPhones desde 2017. Em fotografia, os ajustes no único sensor presente na traseira permitiram a exploração de opções de filmagem mais estáveis.

Moto G100

A chegada do modo Ready For

O Moto G100 foi uma grata surpresa na 10ª geração de aparelhos da linha Moto G. Isso porque o smartphone conseguiu se diferenciar de todos já lançados pela marca, principalmente na parte de recursos.

Conhecido por ter um conjunto triplo de lentes que aparenta ser quádruplo por causa do módulo quadrado, o G100 trouxe ótimas novidades fotográficas para a Motorola em 2021. Uma delas foi o sensor principal de 64 MP, no qual era possível explorar a versatilidade na hora do uso.

Não digo apenas pela qualidade das imagens, mas também pelo fato de essa lente ser híbrida e possibilitar que capturas em modo macro — com maior proximidade dos objetos — fossem realizadas de maneira a explorar toda a nitidez entregue pelo sensor Omnivision OV64B.

Moto G100 (Imagem: Ivo/Canaltech)

Outro elemento que chamava a atenção era o anel iluminado — estilo ring light — presente em uma das lentes, pois ajudava a melhorar a iluminação de objetos sob pouca luz para que a qualidade da foto fosse ainda melhor.

E como se não bastassem todas essas opções, o intermediário premium chegou com a Plataforma Snapdragon 870 para competir diretamente com diversos modelos da Xiaomi, e ainda entregou como diferencial o Ready For.

Essa ferramenta é atualmente a principal concorrente do Samsung DeX, porque permite a conexão do celular com uma TV ou monitor para espelhar a tela, bem como entrar em um novo formato de funcionamento para ser uma central multimídia, um computador e até mesmo um console portátil.



Veja mais