Flash Sale! to get a free eCookbook with our top 25 recipes.

Inflação bateu na porta das famílias de alta renda em maio – Money Times

Inflação


(Imagem: Reuters/Pilar Olivares)

Normalmente, as famílias de classe média e baixa são as que mais sentem as crises econômicas. São elas que sofrem com os aumentos de preço nos supermercados, serviços e postos de gasolina. No entanto, dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostram que a crise chegou à classe média alta

Em maio, o Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda registrou variação de 0,93% para as famílias pertencentes ao estrato de renda alta (ou seja, com renda domiciliar mensal maior que R$ 17.260,14). Já o grupo de renda muito baixa, com renda domiciliar mensal menor que R$ 1.726,01, foi justamente o que menos sentiu a inflação do período, com uma variação de 0,29%.

Confira abaixo a variação de maio:

  • Renda muito baixa (menor que R$ 1.726,01): 0,29%
  • Renda baixa (entre R$ 1.726,01 e R$ 2.589,02): 0,40%
  • Renda média-baixa (entre R$ 2.589,02 e R$ 4.315,04): 0,47%
  • Renda média (entre R$ 4.315,04 e R$ 8.630,07): 0,59%
  • Renda média alta (entre R$ 8.630,07 e R$ 17.260,14): 0,62%
  • Renda alta (maior que R$ 17.260,14): 0,93% 

As maiores contribuições à inflação vieram dos grupos transportes; alimentos e bebidas; e saúde e cuidados pessoais. No caso dos transportes, além da alta de 1% dos combustíveis, também pesou o reajuste de 18,3% nas passagens aéreas – que impactou a inflação do segmento de renda mais alta – e os aumentos das tarifas de ônibus intermunicipal (1,2%) e interestadual (1,4%) – que pressionaram principalmente a inflação das classes de renda mais baixa. Por outro lado, a queda de 8% no preço da energia, em maio, gerou um alívio maior para as famílias mais pobres. 

Acumulados

Apesar dos números de maio mostrarem que a classe alta sentiu a inflação, a verdade é que no acumulado do ano e nos últimos 12 meses, são os menos afortunados que veem o orçamento cada vez menor. 

Nos primeiros cinco meses do ano, o grupo que acumula a maior variação inflacionária é o de renda média, com 4,85%. Em seguida, então os de renda baixa e renda média-baixa, com um acumulado de 4,82% cada. As famílias de classe alta são as que apresentam menor variação, de 4,66%. Veja:

  • Renda muito baixa: 4,79%
  • Renda baixa: 4,82%
  • Renda média-baixa: 4,82%
  • Renda média: 4,85%
  • Renda média alta: 4,71%
  • Renda alta: 4,66%

Já nos últimos 12 meses, o destaque vai para renda muito baixa: 12%. Aqui, a menor variação acumulada é do grupo de renda média-alta (11,2%), seguido pelos de renda alta (11,3%). 

Confira abaixo:

  • Renda muito baixa: 12%
  • Renda baixa: 11,8%
  • Renda média-baixa: 11,9%
  • Renda média: 11,7%
  • Renda média alta: 11,2%
  • Renda alta: 11,3%

Siga o Money Times no Facebook!

Curta nossa página no Facebook e conecte-se com jornalistas e leitores do Money Times. Nosso time traz as discussões mais importantes do dia e você participa das conversas sobre as notícias e análises de tudo o que acontece no Brasil e no mundo. Siga agora a página do Money Times no Facebook!



Continue Lendo