Flash Sale! to get a free eCookbook with our top 25 recipes.

Impressão 4D cria asas que mudam de forma em pleno voo


Pesquisadores da Universidade Concórdia, no Canadá, desenvolveram um novo método de impressão 4D que pode melhorar a construção de asas para drones, tornando esse processo de fabricação mais eficiente e barato, em comparação com as técnicas utilizadas atualmente.

Usando esse novo sistema de impressão, eles conseguiram produzir asas adaptáveis capazes de alterar a própria forma em pleno voo (ACTE, na sigla em inglês). A tecnologia experimental substitui a chamada “borda de asa articulada”, geralmente presa ao corpo da aeronave, podendo ser dobrada em até 20 graus.

“Nosso trabalho mostra que um veículo aéreo não tripulado — de pequeno ou médio porte — usando esse tipo de asa, pode suportar uma boa quantidade de carga durante voos mais longos, sem danificar a estrutura principal da aeronave”, explica o professor de engenharia mecânica Suong Hoa, autor principal do estudo.

Impressão 4D

A fabricação de objetos em 4D é semelhante ao processo de impressão 3D, exceto por alterar a forma dos materiais que reagem a determinados estímulos, como água, frio ou calor. A impressão inicial é feita em uma superfície plana que é então exposta a esse estímulo, causando uma reação e alterando o seu formato.

Impressora 4D usada na fabricação das asas (Imagem: Reprodução/Concordia University)

Já a impressão 4D composta é mais complexa. Em vez de utilizar substâncias macias, ela se baseia em uma combinação de resinas com filamentos longos e finos, cada um deles com apenas 10 mícrons de espessura — cerca de 1/10 do diâmetro de um fio de cabelo humano.

“Uma impressora 4D desenrola essa mistura filamento-resina em camadas ultrafinas, com ângulos de 90 graus entre si. Essas camadas são então compactadas e curadas em um forno a 180 °C e, em seguida, resfriadas a 0 °C, criando um objeto rígido, mas não quebradiço”, acrescenta Hoa.

Asas flexíveis

Segundo os pesquisadores, essa nova técnica de impressão 4D permite a criação de um material com uma curvatura mais uniforme entre as superfícies superior e inferior da borda da asa, tornando-a flexível e resistente o suficiente para suportar deformações superiores a 20 graus.

Asas impressas em 4D (Imagens: Reprodução/Concordia University)

Essa flexibilidade acentuada é fundamental para garantir a manobrabilidade do voo, sem prejudicar o desempenho aerodinâmico da aeronave ou aumentar o consumo de combustível. Além disso, esse sistema de fabricação é mais barato e pode ser aplicado em escala industrial.

“A ideia é ter uma asa que possa mudar de forma facilmente durante o voo, trazendo um grande benefício econômico em relação às aeronaves de asa fixa. Outra vantagem é que, por ser plano e leve, esse material é fácil de embalar, podendo ser transportado por longas distâncias e até mesmo para o espaço, encerra o professor Suong Hoa.



Veja mais