horizon-forbidden-west:-as-tribos-do-oeste-proibido

Horizon Forbidden West: as tribos do Oeste Proibido

Através de uma publicação no PlayStation Blog, o estúdio Guerrilla Games divulgou detalhes do mundo de Horizon Forbidden West. Antes destacando as máquinas, agora a desenvolvedora conta como foi o progresso de criar cada local que Aloy encontrará pelo misterioso Oeste Perdido.

  • Horizon Forbidden West | Lançamento, história, trailers e mais
  • 1 ano de PS5 e Xbox Series X|S: qual é o melhor até agora?

No primeiro game, conhecemos a tribo dos Nora, sobre como ela se conecta com a Terra Sagrada e como é pouco avançada tecnologicamente. No novo jogo, um grupo semelhante é o dos Tenakth, cujas crenças e hábitos moldam a personalidade de NPCs (personagens não jogáveis) que Aloy encontrará ao longo da jornada. No entanto, eles são um povo guerreiro e ainda se subdividem em três clãs.

Outra tribo nova é a Utaru, cujo povo é orientado para a agricultura e é muito ligado à terra. Eles ainda são descritos como muito descontraídos e alegres.


Podcast Porta 101: a equipe do Canaltech discute quinzenalmente assuntos relevantes, curiosos, e muitas vezes polêmicos, relacionados ao mundo da tecnologia, internet e inovação. Não deixe de acompanhar.

Opostos a eles, há os Oseram, uma tribo de mineradores com hábitos bem patriarcais e com comportamentos rudes. Com muitos recursos e com habitantes que vieram em busca de uma vida melhor, é aqui que NPCs marcantes poderão ser encontrados.

Visual de Oseram em Horizon Forbidden West (Imagem: Divulgação/PlayStation)

Um fator que diferencia as tribos, além de suas características visuais, é a forma como cada habitante carrega água. “Os fortes Tenakth levam sobre os ombros; os pacíficos Utaru carregam nos braços, junto ao peito; e os habilidosos Oseram usam as mãos”, detalha Espen Sogn, designer chefe de dinâmica de cenário da Guerrilla.

Recursos

São nestes vastos e vivos povoados que o jogador encontrará um ecossistema maior, com progressão, habilidades, melhorias, vida e ferramentas. “Estamos criando as principais funcionalidades que formam os sistemas de progressão. Esses elementos sempre precisam ser construídos em diálogo com o resto do design do jogo”, explica Steven Lumpkin, designer sênior do estúdio.

O desenvolvedor ainda diz que a equipe quer que Forbidden West tenha mais progressão em comparação com Zero Dawn, de modo que tanto os jogadores que seguem a história principal quanto os mais exploradores sejam bem recompensados.

“Em cada povoado do mundo há oportunidades de aventuras. Esses lugares estão cheios de mercadores: Costureiros, que vendem novos (e belíssimos) trajes poderosos em troca de cacos e peças de máquinas; Caçadores, que oferecem uma ampla gama de novas armas táticas; Herboristas, que vendem poções potentes; e Cozinheiros, que preparam refeições revigorantes que a Aloy pode carregar em suas viagens”, detalha Lumpkin.

Novidades nas armas

Outra novidade interessante destacada na publicação é que Aloy poderá carregar seis armas (arcos, estilingues, caçadeiras) ao mesmo tempo, não apenas quatro como no jogo de 2017. Os acessórios de combate também podem ser mais personalizados em bancadas e terão uma troca mais rápida na luta.

Upgrades com partes das criaturas de Horizon (Imagem: Divulgação/PlayStation)

Horizon Forbidden West será lançado em 18 de fevereiro para PlayStation 4 e PlayStation 5. O game já está em pré-venda e conta com upgrade gratuito para a nova geração.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

  • 10 atores de Harry Potter que já morreram
  • Garimpeiro procurava ouro mas acabou encontrando um meteorito ainda mais valioso
  • Nosso cérebro encolheu ao longo dos últimos milênios; o que isso significa?
  • BARATINHO | Fone Bluetooth Galaxy Buds Pro entra em oferta na Fast Shop
  • Lua Fobos poderia ajudar a criar campo um magnético artificial em Marte; entenda