Flash Sale! to get a free eCookbook with our top 25 recipes.

Extensão do DuckDuckGo bloqueia novo sistema de anúncios do Google no Chrome


A DuckDuckGo atualizou sua extensão para o navegador Chrome para bloquear dois novos tipos de anúncios segmentos do Google. Essa dupla faz parte do Privacy Sandbox, em fase beta, e promete ser menos invasivo do que as propagandas antigas.

  • Google inicia testes com a Privacy Sandbox, sua proposta para publicidade online
  • Google anuncia novo modelo de privacidade do Android e “cutuca” Apple

Em uma postagem oficial do blog, a DuckDuckGo ressaltou que o complemento é capaz de barrar o Google Topics e o FLEDGE. Quem preferir, poderá simplesmente desativar a configuraçao Privacy Sandbox do Chrome por ali mesmo.

A Privacy Sandbox ainda está em fase de testes e disponível somente no Google Chrome (Imagem: Reprodução/Google)

“Embora alguns sugiram que o Topic seja uma forma menos invasiva de segmentação de anúncios, nós não concordamos. Por que não? Fundamentalmente, é porque, por padrao, o Google Chrome ainda monitora a sua atividade online”, explica o diretor de produtos da DuckDuckGo, Peter Dolanjski, na publicação.


Podcast Porta 101: a equipe do Canaltech discute quinzenalmente assuntos relevantes, curiosos, e muitas vezes polêmicos, relacionados ao mundo da tecnologia, internet e inovação. Não deixe de acompanhar.

A empresa diz que esse monitoramento é convertido em informações sobre cada pessoa, e isso é entregue para o algoritmo de anúncios. Na avaliação dos especialistas em segurança da DuckDuckGo, os dados repassados são suficientes para identificar seu comportamento sem o seu consentimento, assim as propagandas tendem a ser mais eficázes.

Rastreamento mais “light”?

A iniciativa Privacy Sandbox foi lançada pela gigante das buscas como uma solução para direcionar anúncios aos usuários com mais proteção. Isso porque ela faria a segmentação por grandes públicos de interesse semelhante, em vez de apenas focar individualmente nos hábitos do usuário.

Essas duas metodologias são alternativas aos famigerados FLoCs (Federated Learning of Cohorts), ou “Aprendizagem Federada de Corte”, em tradução livre. Quando foram anunciados, gigantes da tecnologia foram imediatamente contra a implantação, inclusive a DuckDuckGo, fato que obrigou o Google a trabalhar em soluções alternativas.

A empresa disse que o FLEDGE (First Locally-Executed Decision over Groups Experiment) é apenas uma versão repaginada dos anúncios de remarketing, aquelas propagandas que seguem o usuário após navegar em um site de comércio eletrônico, por exemplo. A diferença primorial está na forma como isso ocorre: com base em um identificador pessoal criado nos computadores das pessoas, em vez de usar os cookies de terceiros.

Monitoramento dos hábitos do usuário

Ao visitar um site onde o anunciante deseja fazer o remarketing, ou seja, tentar convencê-lo a comprar algo que você desistiu de início, as pessoas hoje instalam cookies de rastreamento. Isso possibilita ao dono do site identificar suas ações por lá: páginas visitadas, ações executadas e onde a navegação foi interrompida.

O Google Topics separa os usuários em listas com base nos interesses (Imagem: Reprodução/Google)

No modelo novo, o anunciante pode dizer ao Chrome para colocar aquela pessoa em um grpo de interesse. Quando você visitar outro site com anúncios, o navegador fará um leilão da propaganda com base nos seus grupos de interesse e segmentará as propagandas específicas para seu perfil.

O Google se mostrou bastante aberto a críticas desde o início da construção da Privacy Sandbox, principalmente dos defensores da segurança e da privacidade. O órgão de fiscalização de concorrência do Reino Unido chegou a avaliar o sistema e deu um selo de aprovação mais cauteloso no início do ano.

O objetivo das empresas do setor é eliminar gradualmente o uso dos cookies de terceiros. Isso porque esse registro de informações tão sensíveis é visto como algo preocupante por quem lida com tecnologia. De toda forma, a estimativa é que os testes continuem até o ano que vem. Até lá, o Google precisará se esforçar para convencer de que sua solução é mais eficaz e menos invasiva do que o modelo atual.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

  • Uma porta alienígena? Rover Curiosity registra intrigante formação em Marte
  • Megaestruturas alienígenas ao redor de anãs brancas podem indicar civilizações
  • Cientistas descobrem o que tornou ser humano mais propenso ao câncer
  • O som se propaga no espaço? Confira sons de objetos espaciais
  • Musk suspende compra do Twitter, que despenca na Bolsa; Tesla dispara



Veja mais