Flash Sale! to get a free eCookbook with our top 25 recipes.

É “bear market” o nome? – Money Times

É "bear market" o nome? – Money Times


Neblina sobre os mercados: ninguém sabe o que esperar | Peaky Blinders (2013 – 2022)

Oportunidade do dia

Cotas do Atmos ainda disponíveis
Garanta AGORA sua entrada no fundo de ações com maior rentabilidade nos últimos 13 anos (só p/ investidores qualificados).

[QUERO INVESTIR]

Trade do Dia – Por Nilson Marcelo, analista quantitativo de ações da Vitreo

Após o fechamento do último pregão, identifiquei uma oportunidade de swing trade – compra dos papéis da Gol (GOLL4).

GOLL4: [Entrada] R$ 9.97; [Alvo parcial] R$ 10.23; [Alvo] R$ 10.76; [Stop] R$ 9.58

Um volume muito acima do esperado associado a uma queda percentual muito alta pode indicar a exaustão do movimento de baixa.

[ACESSAR O HOME BROKER]

Observações sobre a operação:

– Esta recomendação é válida apenas para o pregão de hoje.

– Caso haja um gap inferior ao alvo parcial, considerar este como novo preço de entrada. Caso haja um gap superior ou igual ao alvo parcial, a operação não deve ser iniciada.

– Assim que o alvo parcial for atingido, o stop deve ser colocado no preço de entrada.

– Se o valor do stop for atingido primeiro, a operação não deve ser iniciada.

Vale lembrar que investimentos em renda variável estão sujeitos a riscos de perda.

Bom dia, pessoal!

O ambiente não é dos melhores. Na verdade, muito pelo contrário. A possibilidade de uma recessão nas principais economias no mundo começa a ser precificada gradualmente nos ativos de risco — a inflação, o lockdown na China, a crise energética na Europa e a guerra na Ucrânia aumentam ainda mais o medo dos investidores. 

Diante disso, as ações asiáticas caíram nesta terça-feira (13) devido a temores de que o Federal Reserve dos EUA adote uma postura particularmente agressiva ao aumentar as taxas de juros para controlar a inflação nos Estados Unidos, que está em seu nível mais alto em 40 anos. Neste contexto, os futuros americanos até tentam se recuperar timidamente depois da queda de ontem, mas a Europa acompanha a Ásia na queda.

A ver…

Que comece o Copom

Pelo calendário, assim como nos EUA, hoje é o início da reunião de política monetária do Banco Central do Brasil. O resultado do encontro deverá ser apresentado amanhã depois do fechamento de mercado. Hoje, porém, já há quem diga que a Selic não vai parar por aqui, podendo ainda haver mais um ajuste na reunião de agosto — teríamos mais duas altas de 50 pontos-base, chegando a uma Selic terminal de 13,75%.

Entrará na conta os desdobramentos do projeto sobre ICMS, que foi aprovado ontem (13) no Senado. Agora, o texto segue para a Câmara dos Deputados com sua estrutura básica preservada, o que significa transformar combustíveis, energia, telecomunicações e transporte coletivo em bens essenciais, limitando a alíquota do ICMS sobre esses serviços em até 17%. Os impactos fiscais desta medida devem convergir para o preço, abrindo espaço para correções adicionais nos ativos locais.

Um “bear market” americano

Os mercados enfrentam um sério problema de inflação, o que provoca revisões frequentes nas previsões para os movimentos do Federal Reserve. O gatilho mais recente foi o dado de inflação de preços ao consumidor nos EUA da última sexta-feira (10) acima do esperado, deixando os investidores preocupados com a condução da política monetária por parte do Fed.

Por conta desse estresse, os mercados de ações estão oficialmente em território de “bear market” no S&P 500 (queda de mais de 20% de sua última máxima) — o índice caiu 3,9% ontem, acumulando uma queda de 21,8% em relação ao recorde de 3 de janeiro. 

Dessa forma, comparações com a década de 1970 não param de aparecer, com a inflação mais alta em décadas, taxas de juros em alta, choques de energia em todo o mundo e ações caras em declínio.

Mesmo com as quedas, os valuations não são muito mais baratos devido ao aumento das taxas de juros e uma perspectiva de ganhos cada vez mais fraca. Uma trajetória mais alta das taxas de juros justifica preços de ações ainda mais baixos. 

Elevando as expectativas para o Fed

Com a reunião de junho do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Federal Reserve começando hoje, todos se perguntam qual será o tom de Powell na coletiva de amanhã. Os participantes do mercado veem o Fed precisando ir mais rápido e para patamares mais altos se quiser controlar a inflação, o que elevaria o risco de levar a economia a uma recessão, causando mais estresse nos mercados.

A curva de juros futuros indica uma chance de 26% de um aumento de 0,75 ponto percentual na quarta-feira, acima dos apenas 3% de uma semana atrás. Qualquer coisa inferior a 50 pontos-base está fora da mesa. Até o final de 2022, os futuros estão precificando os juros em uma faixa entre 3,50% e 3,75%. Este movimento implicaria um aumento adicional de 0,75 ponto percentual nas taxas entre agora e o final do ano em relação ao que o mercado esperava há uma semana. 

Anote aí!

Hoje, os investidores ficarão atentos ao índice de preços ao produtor nos EUA, que deverá apresentar alta de 0,7% em maio, resultando em um aumento de 10,8% em relação ao ano anterior. Na Alemanha, contamos com o índice de expectativas econômicas de junho, enquanto, na França, temos a divulgação do PIB do primeiro trimestre do G20. No Brasil, podemos acompanhar o volume de serviços, que deve avançar 0,4% em abril, aguardando também a participação de Paulo Guedes em evento no Brasil Investment Forum 2022, em São Paulo.

Muda o que na minha vida?

Nos EUA, o preço médio da gasolina na bomba ultrapassou US$ 5,00 por galão. Para os investidores em energia, o desequilíbrio entre oferta e demanda parece mais agudo no setor de refino. Neste contexto, começa a se formar uma preocupação elevada com a chance de uma recessão.

Não está claro onde está o ponto de ruptura, mas a gasolina sustenta grande parte da economia, desde transporte e viagens até produção e construção. Também orienta uma parcela significativa do comportamento do consumidor, bem como das expectativas de inflação, o que pode ter consequências ainda mais danosas sobre as perspectivas econômicas.

Considerando que o preço do barril de petróleo pode chegar a US$ 135 até o final do ano, não me surpreenderia ver o preço do galão subir ainda mais nos EUA. Vivemos esta mesma realidade no Brasil, com a chance de eventuais elevações de preço da Petrobras mais do que compensarem renúncias fiscais sobre os consumidores.

Existe uma teoria formulada por Don Rissmiller, economista-chefe da Strategas, de que a economia dos EUA geralmente enfrenta problemas quando a taxa de juros (o custo do dinheiro) somada ao preço da energia (o custo da energia) atinge dois dígitos — a taxa média de 30 anos já ultrapassou 5% e agora, com o preço na bomba acima de US$ 5, o indicador já começa a ter dois dígitos.

Se houver recessão ainda em 2022, o problema será derivado da inflação pura. Se ficar para 2023, no entanto, já seria em função da maturação da política monetária do Fed. Independentemente, o momento é delicado e o estresse sobre os mercados não deve cessar tão cedo

Um abraço,

Jojo Wachsmann

Disclaimer

Money Times publica matérias de cunho jornalístico, que visam a democratização da informação. Nossas publicações devem ser compreendidas como boletins anunciadores e divulgadores, e não como uma recomendação de investimento.

Entre para o nosso Telegram!

Faça parte do grupo do Money Times no Telegram. Você acessa as notícias em tempo real e ainda pode participar de discussões relacionadas aos principais temas do Brasil e mundo. Entre agora para o nosso grupo no Telegram!



Continue Lendo