Flash Sale! to get a free eCookbook with our top 25 recipes.

Após 1º caso da covid, Coreia do Norte impõe lockdown nacional


A Coreia do Norte registrou oficialmente o seu primeiro caso da covid-19 na segunda-feira (9). Segundo a imprensa local, mais do que um caso isolado, a capital Pyongyang enfrenta um surto de infecções do coronavírus SARS-CoV-2, mas não foi detalhado o número exato de casos. Diante da chegada e do avanço do vírus, as autoridades impuseram um lockdown nacional.

Segundo a agência de notícias estatal KCNA, os casos da covid registrados na capital da Coreia do Norte foram causados pela variante Ômicron — também não se sabe se é a versão original (BA.1) ou uma de suas subvariantes, como a BA.2.

Corei do Norte adota lockdown com a chegada da variante Ômicron do vírus da covid (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)

Vale lembrar que, com a pandemia da covid-19, a Coreia do Norte optou por fechar suas fronteiras com os outros países e, oficialmente, passou os últimos dois anos sem relatar nenhum caso da doença. Apesar disso, especialistas, consultados pela BBC, acreditam que o vírus já está presente há muito tempo na região.

Kim Jong-un usa máscara pela 1ª vez

Em comunicado para a população da Coreia do Norte, o líder Kim Jong-un foi visto pela primeira vez usando uma máscara de proteção contra a covid-19. Enquanto falava, Kim retirou o equipamento de proteção. Nesse momento, os outros membros de sua equipe mantiveram as máscaras.

No pronunciamento, o líder Kim prometeu erradicar o surto da covid-19, causado pela chegada da variante Ômicron. Atualmente, o país vive uma situação de “grave emergência nacional”, segundo o líder, e que viola a “frente de quarentena” instaurada do país desde o início da pandemia. É neste cenário que o lockdown se faz necessário.

Risco de surto da covid na Coreia do Norte

É preciso esclarecer que um potencial surto da covid-19 pode ter consequências devastadores para a população norte-coreana. Para as autoridades locais, seria um desafio lidar com a alta demanda de profissionais de saúde e de estrutura hospital para tratar os infectados.

Isso porque, muito provavelmente, o número de casos graves deve ser alta, já que a população não está vacinada contra a covid-19. O país rejeitou todas as vacinas, incluindo projetos que visavam distribuir de forma mais igualitária imunizantes, como o COVAX Facility. Foram oferecidas doses da Covishield (AstraZeneca/Oxford) e da CoronaVac (Sinovac), ambas foram amplamente adotas no Brasil, por exemplo.

Em resposta a potencial crise de saúde, o governo da Coreia do Sul ofereceu, novamente, assistência humanitária para o país vizinho. Até o momento, as autoridades de Pyongyang não aceitaram a ajuda.

Fonte: BBC  



Veja mais